Atualmente, uma crise (entre várias) no sistema de transportes causada pelo aumento no preço dos combustíveis tem afetado a vida de milhões de pessoas em todo o país. A infraestrutura do transporte já era um assunto recorrente, agora dominou a pauta em jornais e conversas de todos os brasileiros.

Neste artigo, exploraremos um pouco da matriz de transportes brasileira, suas principais características e desafios para quem trabalha com essa área. Continue lendo para saber mais.

Desafios para a infraestrutura do transporte no Brasil

Como é a infraestrutura de transportes no Brasil hoje

Atualmente, a matriz de transportes brasileira passa por um momento intenso, em todas as suas formas. São mudanças que tentam acompanhar o ritmo acelerado do mercado global e das demandas internas do país.

Apesar dessas mudanças, todas as formas de transportes do território nacional se encontram em um patamar inferior ao que poderiam estar. Agora, vamos conhecer um pouco mais sobre quais são as formas de transporte que existem no Brasil atualmente e como elas estão.

Rodovias

Imbatível em tamanho e investimento, as rodovias são a forma mais comum de transporte de cargas no Brasil. A partir dos anos 1950, elas passaram a receber investimentos pesados, especialmente nas capitais do país.

Grandes projetos de estradas foram feitos para que o interior e o litoral fossem conectados, de norte a sul do país. Mas, infelizmente, poucos se tornaram realidade. As rodovias são a infraestrutura de transporte mais utilizada no Brasil, o que torna muitos outros serviços da sociedade totalmente dependentes delas. Mesmo com a importância que as rodovias receberam ao longo do tempo aumentando, o investimento nelas ainda é pouco perto do necessário. Muitas estão abandonadas, a maioria sem pavimentação ou em péssimas condições.

Um pequena porcentagem das estradas nacionais são privatizadas, criando uma diferença significativa de qualidade entre elas e as que ainda pertencem ao governo federal e aos estaduais. Desse modo, os custos com manutenção, pedágios e outras demandas se tornam maiores. Com o investimento necessário realizado de forma correta, com o planejamento e a execução alinhados, os custos para que o transporte seja feito nessa modalidade se tornam menores, garantindo maior lucro para todos. Realizando esse investimento nas rodovias, elas também se tornam mais seguras, trazendo qualidade de vida para os que dependem delas.

Ferrovias

Os trens tiveram seu momento de auge entre os séculos XIX e XX, sendo rapidamente substituídos pelos carros. No início, os trens serviam como forma principal de transporte de cargas e pessoas, mas, com o crescimento acelerado dos carros e das rodovias, foram colocados de lado. Hoje, a maior parte da malha ferroviária serve apenas para o transporte de minérios, com considerável porcentagem obsoleta. De toda a matriz de transporte, os trens representam apenas cerca de 20%.

As ferrovias poderiam ser melhor aproveitadas, mas principalmente por políticas, elas vão sendo cada vez mais abandonadas. Os trens e suas aparelhagens levam bastante tempo para serem feitos, o que não é vantajoso para os políticos, já que um inicia a obra, mas outro fará a inauguração.

O sistema ferroviário poderia ajudar a desafogar o sistema de rodovias, fornecendo uma opção principalmente para o transporte de cargas.

Hidrovias

Provavelmente o sistema de transporte mais eco sustentável disponível atualmente, as hidrovias são feitas pelos rios que existem em todo o nosso país.

Apesar da grande oferta de rios que possuímos, essa modalidade de transporte é pouco aproveitada internamente.

Em compensação, 90% das exportações são feitas por meio de navios, o que aumenta a participação das hidrovias na distribuição da matriz de transportes.

Aeroportos

O transporte aéreo é o mais recente dos sistemas de locomoção inventados. Ele requer muitos recursos, tanto no chão quanto no ar. Apesar de os aviões serem o meio de transporte mais rápido, também são o meio mais caro.

Com o avanço da tecnologia, a tendência é que o uso dessa plataforma se torne cada vez mais comum e barato, popularizando o envio de cargas pelo ar.

O Brasil tem investido na construção e modernização dos aeroportos em todo o país, mas de modo ainda insuficiente para a demanda existente. Ainda falta planejamento e organização para que o serviço chegue próximo ao ideal.

Desafios

Como você já deve ter percebido, os desafios para infraestrutura de transportes no Brasil são grandes e numerosos. Mas nada que um bom planejamento executado de forma objetiva não consiga driblar.

Alguns desafios fazem já parte da cultura local, como os altos impostos, um dos maiores do mundo. Apesar da rica contribuição que recebe, o governo, em todas as suas esferas, faz, na maior parte das vezes, uma administração ruim dos recursos, utilizando-os de forma arbitrária, mal planejada e mal organizada. Tudo isso sem contar os inúmeros casos de corrupção que levam bilhões de reais para longe de quem realmente necessita.

Além da má administração dos recursos recebidos, há também a falta de investimento em planejamento e em projetos para manutenção e modernização das infraestruturas de transporte existentes. Isso se traduz, por exemplo, em estradas de péssima qualidade, que atrasam as entregas, deterioram veículos e colocam em risco a vida de quem depende delas.

É possível dizer que o principal desafio da infraestrutura de transportes atualmente seja a extrema dependência que o país tem em apenas um sistema, o rodoviário. Essa falta de autonomia com outras plataformas de transporte nos deixa vulneráveis e ainda mais frágeis em momentos de crise, aumentando os prejuízos de todos os lados.

E tem solução?

Há quem diga que tudo nessa vida tem solução, e nós acreditamos nisso também! Os desafios citados acima podem ser todos vencidos de forma estratégica, inteligente e objetiva, a curto, médio e longo prazo.

Investir em infraestrutura de transporte é um caminho que traz apenas benefícios, multiplicados quando se trabalha em conjunto com uma gestão otimizada.

Além do investimento, é essencial que haja uma projeto de gestão bem feito, que localize gargalos que causam prejuízos e saiba aproveitar os benefícios oferecidos em cada plataforma.

Cada sistema de transporte possui suas vantagens e desvantagens, ainda mais em um país com dimensões continentais como o nosso. Por isso é preciso avaliar bem o uso de cada um e extrair o que possui de melhor. O ideal é que todos os sistemas sejam utilizados em conjunto, de forma integrada, criando uma infraestrutura completa e autônoma, que nos proteja em tempos de crise e catapulte os ganhos que chegam.

Conclusão

Com todas essas informações em mente, é essencial que façamos a nossa parte, lutando por melhorias em toda a infraestrutura de transportes do país e não desistindo de oferecer um serviço de qualidade, competitivo e que gere bons resultados para todos os lados do processo. É importante que a valorização de sistemas além dos rodoviários aconteça, pois só temos a ganhar com isso. Saiba mais sobre gestão de infraestrutura no nosso blog e compartilhe esse conhecimento nas redes sociais!

Categorias: Uncategorized

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *